GAZETA FM BARRA DO GARÇAS

segunda-feira, 02 de Dezembro de 2019, 07h:40

Criança de 9 anos pede cadeira de rodas em cartinha ao Papai Noel

Ana Flávia Corrêa

Chico Ferreira

Chico Ferreira

Não fosse por um pedido inusitado, a carta do menino Kauã Paulo, 9, se assemelharia às milhares escritas por crianças e entregues aos Correios de Cuiabá e Várzea Grande. Ao invés de uma bola, boneca ou carrinho de controle remoto, ele pediu uma cadeira de rodas.

 

A carta, na verdade, foi escrita por sua cuidadora na Escola Municipal de Educação Básica Joana Dark. "Querido Papai Noel, meu nome é Kauã e eu sou a alegria da minha sala", é como começa o pedido. 

 

 

Diagnosticado com autismo severo desde o nascimento, a criança atualmente utiliza uma cadeira de rodas desproporcional ao seu tamanho. O objeto foi obtido pela família por meio de doação há alguns meses, mas não é considerada adequada para o seu desenvolvimento. 

 

Conforme explicou a dona de casa Isabela Cristina da Silva, 31, mãe do pequeno, ele precisa da cadeira de rodas principalmente para ir até a escola, fazer visitas regulares ao médico e também para participar das corridas de rua que participa com a matriarca. 

 

"Desde pequeno ele não tem cadeira.  Só cadeiras dadas que já estragaram. Ficou essa daí, mas ela deixa ele todo encurvado e atrapalha a coluna dele. Fora que ela está sem freio e desregulada", explicou. 

 

 

Sem conseguir falar ou se locomover, Kauã depende da mãe para tudo. É ela quem o dá banho, troca as suas fraldas, prepara suas refeições e o alimenta. Ele passa toda a manhã e casa e às 13h vai para a escola. A cadeira de rodas é o seu único meio de locomoção. 

 

Isabela também explicou que eventualmente o pequeno tem convulsões decorrentes da condição física. Ele toma remédios controlados e faz fisioterapia para evitar que seus membros atrofiem. 

 

Kauã tem dificuldades de interagir com as pessoas. Ele não gosta de muito barulho e se irrita quando qualquer pessoa encosta nele. A corridas de rua foram uma alternativa que a mãe encontrou para que ele conseguisse se soltar. Depois de participar de duas corridas ao lado do pequeno, contudo, precisou desistir porque a cadeira em que o levava era inadequada. 

 

 

"Nas corridas ele até consegue falar, porque fica no meio das crianças. Quero que ele possa participar das corridas e também ir para a escola. É o meu sonho. As crianças ajudam ele a melhorar. Ele era uma criança fechada, não gostava de se envolver com as pessoas. Depois que ele começou a participar que ele quis sair, participar, foi melhor pra ele", finalizou. 

 

Caso tenha se sensibilizado com a causa de Kauã, é possível falar com Isabela pelo número (65) 9 9243-7423. Para adotar outras cartinhas, acesse a página da campanha.


Fonte: GAZETA FM BARRA DO GARÇAS

Visite o website: www.gazetafmbarra.com.br